Ijuí começa a revisão do Plano de Municipal de Saneamento


Publicado em 31/03

Primeira reunião para discutir a proposta foi realizada na manhã desta quina-feira,30, no auditório do Sindicato Rural de Ijuí

Fonte: Prefeitura Municipal de Ijuí

Ijuí está entre os primeiros municípios brasileiros a implantar o Plano Municipal de Saneamento (Plamsab) e Plano de Gerenciamento Integrado dos Resíduos Sólidos (Pgirs) e está sendo igualmente um dos primeiros – senão for o primeiro – a iniciar o processo de revisão do Plano. A observação foi feita pelo professor Dieter Wartchow, que está assessorando a execução das ações de saneamento em Ijuí.

A primeira reunião para tratar sobre a proposta de revisão do Plano implantado em 2011, foi realizada na manhã desta quinta-feira, 30, e contou com a participação do diretor-presidente do Departamento Municipal de Águas e Saneamento de Ijuí (Demasi), Enio dos Santos (Dentinho), secretária Municipal de Meio Ambiente, Andressa Gressler Stumm, equipe da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e membros do Conselho Municipal de Saneamento de Ijuí (Comsab).

Em pouco mais de uma hora e meia de reunião, o professor da Ufrgs, Dieter Wartchow, pontuou os principais aspectos a serem tratados durante o processo de revisão e, aproveitou também para colher algumas informações surgidas durante a reunião, que segundo ele, o ajudarão na elaboração do pré-diagnóstico. Dentro de aproximadamente 30 dias um pré-diagnóstico do plano, com as ações já realizadas, entraves encontrados durante o processo de implantação e itens a serem executados, será apresentado em reunião ampliada. Depois disso, deverão ser realizadas reuniões setoriais com o objetivo de envolver os diversos segmentos da comunidade que devem participar não só do processo de elaboração Plansab.

Ijuí começa a revisão do Plano de Municipal de Saneamento

“Esse processo de revisão tanto do Plansab quanto do Pgirs é muito importante para Ijuí. É o momento de discutirmos questões relativas à água segura, esgoto sanitário, manejo de águas pluviais e de resíduos sólidos(lixo)”, comenta o diretor-presidente do Demasi. De acordo com Dentinho, a reunião de apresentação do pré-diagnóstico já ficou definida para o dia 11 de maio, em local a ser definido e da qual devem participar equipes das diversas secretarias municipais e entidades representativas para discutir propostas de desenvolvimento e estratégias de trabalho.

A ideia, segundo a secretária de Meio Ambiente, Andressa Gressler Stumm, é  conhecer os problemas para encontrar soluções que possam contribuir para melhorar a estrutura do saneamento básico, bem como do gerenciamento dos resíduos sólidos, contribuindo assim, para a preservação ambiental. “E, nesse contexto, também pretendemos desenvolver campanhas de educação ambiental nas escolas e estratégias que permitam a construção de uma nova cultura, a partir da sensibilização da comunidade em geral para a mudança de hábitos. “Se cada um assumir o seu papel, todos sairemos ganhando, pois isso implicará na redução de custos para o gerenciamento do saneamento e do lixo e num ganho significativo em termos ambientais”, reitera.

O professor Dieter, que está assessorando na construção de todo esse processo, é graduado em Engenharia pela UFRGS (1979), e tem mestrado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental pela UFRGS (1982) e doutorado em Engenharia pela Universidade Stuttgart (1988). Foi Diretor-Geral do DMAE/Porto Alegre-RS. Foi diretor-presidente da Companhia Rio-Grandense de Saneamento (Corsan), presidente Nacional da Assemae, secretário Municipal de Meio Ambiente (Porto Alegre-RS), servidor público estadual na Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luís Roessler (Fepam-RS), Professor no Cefet-RS. Atualmente é professor adjunto da Ufrgs, no Instituto de Pesquisas Hidráulicas – IPH, além de atuar, principalmente, em temas como: água, esgotos, drenagem, resíduos, planejamento e gestão no saneamento e meio ambiente.